Sábado, 6 de Dezembro de 2008, Alexandros Grigoropoulos, um companheiro de 15 anos, foi assassinado por um polícia a sangue frio com uma bala no peito, no bairro de Exarchia.

Ao contrário do que foi dito pelos políticos e jornalistas que são cúmplices do assassinato, isto não foi um “incidente isolado”, mas a explosão da repressão estatal que sistematicamente e de uma maneira organizada visa aqueles que resistem e se revoltam, os anarquistas e anti-autoritários.

É o pico do terrorismo de estado, o qual se manifesta pela actualização do papel dos mecanismos repressivos, o seu contínuo armamento, o crescente nível de violência que usam a par da doutrina da “tolerância zero”, juntamente com a propaganda mediática caluniadora que criminaliza aqueles que lutam contra a autoridade.

São estas condições que preparam o terreno para a intensificação da repressão, tentando obter o consentimento social prévio e armando os assassinos estatais fardados.

A violência assassina contra as pessoas na luta social e de classes tem por objectivo a submissão de todos, servindo como punição exemplar, com o intuito de espalhar o medo.

É parte do ataque mais geral do estado e do patronato contra toda a sociedade, com o fim de impor condições mais duras de exploração e opressão, para consolidar o controle e a repressão. Da escola e da universidade até às masmorras da escravatura assalariada com as centenas de trabalhadores mortos nos ditos “acidentes de trabalho” e à pobreza afectando uma grande parte da população … Dos campos minados nas fronteiras, das perseguições racistas e assassinatos de imigrantes e refugiados até aos numerosos “suicídios” nas prisões e esquadras de polícia … dos “disparos acidentais” nas barragens policiais à repressão violenta de resistências locais, a Democracia mostra os seus dentes!

Desde o primeiro momento, após o assassinato de Alexandros, manifestações espontâneas e motins rebentaram no centro de Atenas, as Escolas Politécnica, de Economia e de Direito estão sendo ocupadas e ataques contra o estado e alvos capitalistas ocorrem em vários bairros e no centro. Manifestações, ataques e confrontos surgiram em Tessalónica, Patras, Volos, Chania e Heraklion em Creta, em Giannena, Komotini e em muitas cidades mais. Em Atenas, na rua Patission – perto das Escolas Politécnica e de Economia, os confrontos duraram toda a noite. Perto da Politécnica a polícia anti-motim usou balas de borracha.

Sábado, dia 7 de Dezembro, milhares de pessoas manifestaram-se em direcção ao Quartel-General da Polícia em Atenas, atacando a polícia anti-motim. Confrontos de incrível tensão espalharam-se pelas ruas do centro da cidade, durando até à noite. Vários manifestantes são feridos e alguns deles presos.

Mantemos a ocupação da Escola Politécnica que começou Sábado à noite, criando um espaço para que todas as pessoas que lutam se possam reunir e um foco mais permanente de resistência na cidade.

Nas barricadas, ocupações de universidades, manifestações e assembleias mantemos viva a memória de Michalis Kaltezas e de todos os companheiros que foram assassinados pelo estado, fortalecendo a luta por um mundo sem senhores e sem escravos, sem polícia, exércitos, prisões e fronteiras.

As balas dos assassinos fardados, as prisões e espancamentos dos manifestantes, a guerra química lançada pela forças policiais, não só não conseguem impor o medo e o silêncio, mas tornaram-se para as pessoas a razão para se erguer contra o terrorismo do estado, o toque a rebate para a luta pela liberdade, para abandonar o medo e se encontrarem – cada dia em maior número, nas ruas da revolta. Para permitir que a raiva transborde e os afogue!

O terrorismo de estado não passará!

Exigimos a libertação imediata de todos os que foram presos nos acontecimentos dos dias 7 e 8 de Dezembro.

Solidarizamo-nos com todos aqueles que estão ocupando universidades, manifestando-se e enfrentando os assassinos do estado em todo o país.

- A Ocupação da Universidade Politécnica de Atenas

3 comentários:

Michalis Kaltezas era um rapaz de 16 anos assassinado pela polícia no mesmo bairro em 1985, com uma bala na nuca. No seguimento desse assassinato também ocorreram confrontos semelhantes durante vários dias.

9 de dezembro de 2008 21:17  

informação nos seguintes blogs ingleses: http://www.occupiedlondon.org/blog/

http://libcom.org/forums/news/police-shoot-dead-16-year-old-demonstrator-athens-06122008

Neles é noticiado o carácter popular e massivo dos acontecimentos e a colaboração de grupos de extrema-direita com a polícia.

9 de dezembro de 2008 23:30  

Outro link onde se recolhe informação,em inglês:
http://libcom.org/tags/greece-unrest

9 de dezembro de 2008 23:34  

Postagem mais recente Postagem mais antiga Página inicial