O persistente apelo do nacionalismo nas fileiras da esquerda do capital manifestou-se mais uma vez.

Diz a "comunista": "[proponho] lançar um apelo para fazer retirar o Hamas da lista das organizações terroristas. E devemos opor-nos às actuais tentativas europeias para colocar o Hezbolah nessa lista. É o mínimo que podemos fazer se pretendemos apoiar a resistência palestiniana, libanesa ou árabe. É a condição democrática mínima para que um apoio à resistência seja possível e para que uma confrontação entre correntes políticas diferentes no seio da resistência ao imperialismo seja possível. É a condição política indispensável para que a esquerda tenha a mínima hipótese de se fazer escutar pelas massas em luta contra o imperialismo.”

Este palavrório faz vomitar! Estes esquerdistas querem dar a mão àqueles que onde ocupam o poder estatal têm uma política criminosa e fascista contra o proletariado. E tudo isto em nome do estafado anti-imperialismo!





Para cúmulo, o pasquim esquerdista Mudar de Vida, que tem muitos planos preparados para a classe trabalhadora e para o povo, e que se esforça seriamente em chegar a eles (de fora, como bons leninistas que não se cansam de ser), censurou um pequeno comentário que fiz a esse artigo.

1 comentários:

A Comuneiro publicou o artigo integral da "comunista": http://www.ocomuneiro.com/nr8_11_NadineRosa-Rosso.html

Agradeço pois confirmei a minha perspectiva. Cheguei a pensar que poderia ter interpretado mal as linhas disponíveis.

Este é um assunto que divide claramente quem é comunista e quem apoia facções do capital.

Os comunistas apoiam e estimulam a autoactividade da classe, e no mínimo solidarizam-se com as vítimas da repressão e da guerra promovidas por TODAS as facções do Capital, mesmo sendo este anti-imperialista, ou seja, nacionalista.

13 de abril de 2009 11:07  

Postagem mais recente Postagem mais antiga Página inicial